Saberalei
Vítima de fraude em caixa eletrônico ganha indenização por danos morais na justiça

Vítima de fraude em caixa eletrônico ganha indenização por Danos Morais na Justiça

A cada dia cresce mais o número de pessoas vítimas de golpes, das mais variadas formas. Neste artigo, trataremos das operações bancárias fraudulentas, ou seja, saques, empréstimos e outras contratações indevidamente realizadas em nome de determinada pessoa.

A situação é agravada pela ampliação dos meios eletrônicos, facilitando as ações de hackers, na medida em que os bancos não adotam medidas para garantir a segurança dos usuários de seus serviços.

Neste contexto, a lei não poderia deixar a vítima dessas situações desamparada. Realmente, o prejuízo resultante destas operações fraudulentas não podem ser atribuídas à vítima, que teve seu nome utilizado indevidamente.

Para essas situações, aplica-se o Código de Defesa do Consumidor, tendo em vista se tratar de uma relação de consumo. E não somente os clientes das instituições bancárias são protegidos pela lei, mas todos os usuários dos serviços bancários. Realmente, o Superior Tribunal de Justiça já firmou este entendimento com a edição da Súmula n. 297.

Com relação a esta lei, destacam-se as seguintes medidas com relação a estes casos:

• Responsabilidade objetiva do banco (independente de demonstração de culpa), conforme o artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor.

• Inversão do ônus de provar os fatos e o prejuízo da vítima, de acordo com o artigo 6º, inciso VIII, nas hipóteses permitidas (hipossuficiência da parte e verossimilhança das alegações).

Ou seja, nos casos em que uma pessoa é vítima de qualquer golpe, tendo sido vítima de saques ou outras operações bancárias fraudulentas, deve ela procurar a justiça, pois está amparada pela lei. Nesses casos, o juiz deverá inverter o ônus da prova e aplicar a responsabilidade objetiva à instituição bancária.

Esses benefícios foram introduzidos na lei para facilitar a defesa dos direitos do consumidor, tendo sido adotada a teoria do risco profissional. Se o banco coloca uma máquina, telefone ou senha à disposição do consumidor para que realize saques e este diz que não os realizou, o dever de provar quem realizou tais saques deve ser do banco, que lucrou com estes meios fornecidos aos seus clientes. Além disso, seria muito difícil à vítima realizar prova de que não realizou determinada operação.

Deste modo, havendo operações estranhas ao consentimento do usuário de serviços bancários, compete ao banco (réu da ação de indenização) o ônus de afastar as alegações da parte lesada.

Nessas situações, a justiça tem reconhecido a responsabilidade dos bancos de indenizar os danos sofridos pela vítima. Em geral a indenização equivale aos danos materiais causados (prejuízo financeiro por conta da operação fraudulenta), além dos danos de ordem moral.

É evidente que ao se deparar com a indevida subtração de valores de sua conta corrente, ou outras operações que, na maioria das vezes resultam em negativação do nome da vítima no SCPC e SERASA, por descontos indevidos de empréstimos, saques e transferências etc., ocorre evidente desfalque dos valores descontados, além de obrigar a pessoa a efetuar grande esforço para apurar o ocorrido, como registrar Boletim de Ocorrência na Delegacia de Polícia, contatar o banco, seja por telefone, ou pessoalmente, providenciar bloqueios de cartões clonados, entre outros.

Assim, esta situação é mais do que suficiente para causar graves dissabores, transtornos e desgastes físicos e emocionais, abalando, assim, moralmente o consumidor.

Portanto, ao notar movimentação bancária estranha ao seu conhecimento, o consumidor deve imediatamente procurar o banco responsável pela operação, informar o fato à polícia, através de um boletim de ocorrência, além de procurar o Poder Judiciário, para que tenha seus direitos resguardados.

Vítima de fraude em caixa eletrônico ganha indenização por Danos Morais na Justiça
Avalie esse artigo

Leonardo Rodrigues de Godoy

Advogado pós graduado em Direito Tributário e Direito Processual Civil, Mestrando em Direito Político e Econômico, Professor, Palestrante. Possui canal jurídico no YouTube com mais de 100.000 inscritos. Possui diversos artigos publicados no site Saberalei.

Siga-nos

Não seja tímido, entre em contato. Nós adoramos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos.