Auxílio Doença com Atestado Médico e sem Perícia Médica no INSS

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Sumário

O auxílio doença com atestado médico, apresentado pelo segurado, voltou a ser concedido, excepcionalmente, antes da perícia médica em razão da nova lei 14.131/21.

A medida, que foi novidade em 2020, com a lei 13.892/20, previa o adiantamento de benefícios como o auxílio-doença e o BPC/LOAS desde que o segurado apresentasse laudos médicos por conta própria e pela internet, diante da suspensão das perícias oficiais por tempo indeterminado.

Apesar de algumas agências e peritos previdenciários terem voltado a trabalhar, o fluxo de atividades no INSS não é mais o mesmo desde o início da pandemia. Com atendimento precário e demorado, a viabilidade do benefício por incapacidade por meio de comprovação digital está prevista para perdurar até o final de 2021.

Vamos conhecer as regras para o auxílio doença com atestado sem a perícia médica?

Atestado médico e documentos complementares

A principal diferença entre o auxílio doença com atestado médico do ano passado para esse é que agora não basta o atestado médico, a lei também exige alguns documentos complementares porque antes o procedimento antecipava o saque do benefício, adiando a data da perícia médica sem dispensá-la, enquanto na situação atual, toda a documentação será analisada pela própria perícia médica federal, podendo substituí-la para esse fim.

Sendo esse um procedimento excepcional e temporário, ele substitui o protocolo tradicional de agendamento de perícias. Todavia, o INSS “notificará o requerente sobre a necessidade [ou não] de agendamento de exame médico pericial presencial, quando exigido pela Perícia Médica Federal” a partir da avaliação de toda a documentação apresentada, conforme o artigo 5º da portaria conjunta número 32 da Secretaria da Previdência e do trabalho com o Ministério da economia, lançada no dia 31 de março de 2021.

O atestado médico deve relatar o tipo e a extensão da lesão ou doença do segurado que o incapacite para o trabalho. Deve ter assinatura e número do registro profissional do médico responsável, junto da data estimada do início do problema e outras informações sobre a doença, com a indicação do número CID (classificação internacional), sem rasuras e escrita legível.

Além do atestado, o segurado deve também se encarregar de elaborar uma declaração de responsabilidade sobre a veracidade dos documentos, já que apresentar ou criar documentos falsos é considerado crime federal. O modelo de declaração para o INSS pode ser acessado aqui.

Por fim, devem ser juntados todos os exames, laudos, relatórios, indicações de tratamento ou outros documentos atuais que comprovem a doença informada na documentação médica apresentada.

Lembrando que quem está com data marcada para a perícia presencial dentro de até 60 dias deverá comparecer ao exame até segunda ordem, pois o convocado que não comparece à perícia não suspensa ou que não agenda data quando notificado, será considerado desistente em relação ao benefício (artigo 3º, § 5º e artigo 5º da portaria número 32).

Em quais casos o auxílio-doença pode sair sem a perícia médica?

auxíliio doença com atestado

Segundo o artigo 2º da portaria número 32/21, o procedimento especial para o auxílio-doença será adotado nas unidades que enfrentam dificuldades práticas durante a COVID-19. A possibilidade está prevista como possível até o dia 31 de dezembro de 2021.

A unidade poderá receber atestados médicos e documentos complementares substitutivos da perícia médica desde que:

  • Seja impossível abrir a agência do INSS em razão de medidas estaduais, distritais, municipais ou judiciais de isolamento, quarentena e/ou restrição da locomoção de pessoas;
  • A força de trabalho dos peritos previdenciários disponíveis esteja reduzida em pelo menos 20% da capacidade operacional da unidade;
  • O tempo de espera de agendamento da perícia seja superior a 60 dias.

Duração e valor do benefício

O benefício não pode durar mais do que 90 dias e a necessidade de acréscimo de tempo deve ser tratada como novo requerimento.

A medida só está valendo para o auxílio-doença, o que não se aplica para a aposentadoria por invalidez ou o auxílio-acidente.

Ao contrário da lei do ano passado, a lei atual, de número 14.131/21, não trouxe como valor limite da prestação mensal para o auxílio-doença, o salário mínimo. Como o regime atual não é necessariamente um adiamento da perícia, mas pode de fato substituí-la, o valor poderá ser calculado de acordo com a regra definitiva do artigo 61 da lei 8.213/91.

Aliás, este dispositivo do artigo 61, que trata do cálculo para o auxílio-doença, foi mencionado na justificativa da ementa da portaria conjunta número 32/21, como uma regra a ser observada pelo procedimento extraordinário, veja:

“Estabelece procedimentos especiais a serem observados, até 31 de dezembro de 2021, na análise dos requerimentos do auxílio por incapacidade temporária, de que tratam os art. 59 a 63 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, nos termos do disposto no art. 6º da Lei nº 14.131, de 30 de março de 2021. (Processo nº 10132.100101/2021-71)”.

Posso pedir prorrogação?

Não. Qualquer necessidade de prorrogação deverá ser protocolada como novo requerimento de benefício e, por isso, com nova apresentação de documentos (certifique-se sempre de que o laudo é atual).

Mas o que seria um laudo atual? Bom, não existe na lei nenhum dispositivo que atribua prazo de validade para a documentação médica. No entanto, como a incapacidade para o trabalho deve persistir e ser atual, o laudo médico recente faz prova desse importantíssimo elemento de concessão de benefício.

Além disso, o artigo 3º, § 1º da portaria número 32 reforça esse raciocínio ao requisitar, expressamente, “documentos contemporâneos que comprovem a doença informada”, ou seja, o aspecto temporal atual é sim importante.

Por isso, se você tiver condições de revisitar o médico, é muito útil para fins de pedido de novo benefício por incapacidade.

Vou precisar fazer a perícia no INSS depois?

Vou precisar fazer a perícia no INSS depois?

Depende. Talvez a perícia médica federal notifique o segurado para que ele agende data para comparecer à perícia, isso vai depender da regularidade documental apresentada, ou seja, se os documentos respondem a todos os requisitos impostos pela lei para o deferimento do benefício.

Se o laudo não for muito atual, por exemplo, se os documentos informados não estiverem assinados ou se a doença ou lesão não tenham convencido como fatores incapacitantes, assim como qualquer outro elemento de dúvida sobre a concessão de benefício por incapacidade, a perícia poderá ser convocada.

Isso não quer dizer que o segurado não possa fazer novo pedido, que inclusive poderá contar com novos documentos e outras provas complementares suficientes para dispensar a perícia médica oficial.

Resumo

Qualquer segurado do INSS poderá requerer o auxílio-doença com atestado médico e outros documentos complementares até o final do ano de 2021, sem perícia médica, se o tempo de espera da perícia marcada for maior do que 60 dias ou se a unidade responsável estiver com o atendimento presencial comprometido.

Na prática, a medida é uma ação paliativa para conter o avanço da fila de espera dos benefícios no INSS, bastante afetado pela pandemia de COVID-19 no Brasil. Muito cuidado na hora de juntar seus documentos, pois somente o atestado médico não é mais suficiente. Vamos revisar os itens obrigatórios?

  • Atestado médico com redação legível e sem rasuras;
  • Assinatura e identificação do profissional no atestado;
  • Informações sobre a doença, preferencialmente com a Classificação Internacional de Doenças (número CID);
  • Período estimado de repouso necessário.

Por isso, ao consultar o seu médico antes do requerimento do benefício, certifique-se de informá-lo da necessidade de um atestado completo com relatório, indicação de tratamento e prazo estimado de melhora. Confira se a leitura do atestado é de fácil entendimento, porque a perícia do INSS precisará entender o que está escrito para avaliar o seu caso.

Além do atestado, você deve juntar documentos complementares. Anexe tudo aquilo que se refira a sua atual incapacidade:

  • Podem ser outros laudos com segundas opiniões médicas;
  • Declarações da empresa sobre a incapacidade;
  • Recibos de farmácia;
  • Exames médicos;
  • Relatórios do seu estado atual;
  • Tratamentos e medicações prescritas;
  • Prova de internação, etc.

Para outras dúvidas e regras internas da Previdência social, ligue no número 135 para falar em uma das agências do INSS ou consulte um advogado previdenciário.

Deseja Um Atendimento Personalizado?

Então Clique no botão abaixo e envie a sua dúvida através do nosso formulário